Senado Federal: as digitais no desvio de recursos públicos

Por Mino Pedrosa

O senador tucano Izalci Lucas (PSDB-DF), está decidido em disputar a principal cadeira do Palácio do Buriti em Brasília nas eleições de 2022. Mas, para isso terá que dá continuidade na maquiagem dos crimes de desvios de recursos públicos oriundos do Senado Federal, a partir de seu gabinete para promoção pessoal em programas de rádios na Capital Federal.

No dia 12 de março de 2020, o site www.quidnovibrasil.com publicou matéria denunciando o crime que sangrava os cofres do Senado Federal. O alvo da denúncia era o senador Izalci Lucas e dois de seus principais assessores no seu gabinete: Luciano Lima e Rondinelly Cabral. A denúncia detalhava um fato que chegou ao Ministério Público Federal (MPF). No dia seguinte à denúncia Izalci Lucas exonerou os dois assessores reconhecendo o problema e que a troca de farpas entre eles havia exposto a má conduta do parlamentar desde o início de seu mandato. Para os olhos dos leitores de Quidnovibrasil, Izalci lucas havia tomado providências na tentativa de restaurar sua imagem, porém, não é bem assim.

O senador tentou maquiar a denúncia exonerando os assessores, no entanto, nomeou o irmão de um (Marco Aurélio Gomes de Lima) e a esposa do outro (Jéssica Santos da Rocha). Isso quando o assunto é a parceria com o ex deputado federal Wigberto Tartuce, acusado de desviar mais de R$ 93 milhões de reais do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT), empresário e dono da Rádio Atividade (107,1 FM) onde o senador toca seu programa (Todos pelo DF) no intuito de se promover. Os mesmos modus operandis eram praticados na rádio JK FM do ex governador Paulo Octávio, nesse caso o laranja é Abenilio Aires Cirqueira (AP-10) homem de confiança, ponta de lança do mega empresário do ramo da construção civil de Brasília e nomeado no gabinete do senador como pagamento do programa na rádio.

Por causa dos bloqueios judiciais de bens e movimentações financeiras, Vigão camufla a venda de espaço na Rádio Atividade para o senador Izalci Lucas e recebe o pagamento por meio das nomeações indicadas por seu preposto e outros servidores (Charleston Rocha) que estão lotados no gabinete, mas, trabalham auxiliando no programa de “Rádio Todos Pelo DF” do senador na Rádio Atividade e ficam apenas com o vale-refeição e o direito de usar o plano de saúde. Juntos, repassam seus salários a Wigberto Tartuce para bancar o programa do senador. Quem também fazia parte da moeda de troca era Rhayanny de Freitas Cavalcante, mulher de Vigão, lotada no gabinete do tucano, mas que, nunca foi vista no trabalho pelos outros servidores. E não tem como, pois a vida de luxo patrocinada por Vigão faz Rhayanny ficar ostentando suas viagens internacionais nas redes sociais.

A exploração em Rondinelly (preposto de Vigão) passa por pagamentos em espécies, passagens aéreas, despesas pessoais para o chefe de gabinete Paulo Socha entre outros. Rondinelly afirma que não se preocupa com o salário de gabinete, “a minha posição com o senador representando Tartuce tem muito mais valor que o salário. Também assume ser o controlador da vida financeira de Wigberto “todo dinheiro que circula nas mãos de Vigão passam por mim, que sou responsável por dar transparência e legalidade nos recursos. Wigberto Tartuce possui os bens bloqueados pela justiça e vive de negócios escusos e mesadas organizadas pela família”. Na justiça Vigão está mais sujo que “pau de galinheiro”.

Roni com a esposa

Rondinelly sentiu-se prejudicado em seus negócios empresariais após seu nome ter sido publicado em matérias jornalísticas do site Quidnovibrasil.com. Luciano Lima, o assessor e homem de confiança do senador Izalci, ofereceu ajuda ao colega de trabalho garantindo a não repercussão das matérias. Porém, cobrando-lhe dinheiro que segundo ele seria para pagar alguns blogueiros de sites renomados de Brasília com o argumento de impedir a repercussão das notícias envolvendo o nome de Rondinelly, que de pronto transferia os recursos para a conta de Luciano Lima no banco do Brasil. Documentos mostram que foram várias transferências. Ainda segundo Rondinelly as extorsões chegaram próximas aos R$ 30 mil reais. Desse valor, Luciano confessa ter recebido apenas R$ 9 mil reais em sua conta corrente: 41566-9 no Banco do Brasil na data de 14 de agosto de 2019 e justifica que na verdade foi ajuda para o Programa Papo Firme na Rádio Web Federal, apresentado por ele. Rondinelly filmou a entrega de dinheiro para o homem de confiança de Izalci, dentro do carro em um estacionamento na Vila Planalto.

A nomeação dos nomes citados pode ser conferidas no site da transparência.

Click nos links abaixo:

https://www.senado.leg.br/transparencia/rh/servidores/detalhe.asp?fcodigo=2683474

https://www.senado.leg.br/transparencia/rh/servidores/detalhe.asp?fcodigo=3556816

https://www.senado.leg.br/transparencia/rh/servidores/detalhe.asp?fcodigo=3442160

https://www.senado.leg.br/transparencia/rh/servidores/detalhe.asp?fcodigo=3633276