GDF: Licitação milionária sob suspeita

Por Mino Pedrosa

Brasília amanheceu com os holofotes do Ministério Público de Contas do Distrito Federal (MPC-DF) acompanhando a polêmica e milionária licitação promovida pela Secretaria de Estado de Comunicação do Distrito Federal (SECOM-DF). Nesta quinta-feira, serão abertos os envelopes que contemplarão quatro agências que vão abocanhar mais de 160 milhões de reais por ano dos cofres do GDF.

A lupa do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) está sobre o secretário de comunicação, Weligton Luiz Moraes, vulgo ‘Baiano’, que parece não lembrar que já esteve preso no cárcere da Penitenciária da Papuda em Brasília, quando também era secretário de comunicação no governo de José Roberto Arruda. Baiano comanda a verba da SECOM-DF a décadas e possui estreitos laços com a agência AV Comunicação e Marketing Ltda que presta serviços para o GDF.

O Ministério Público suspeita que o vulgo Baiano esteja manipulando a concorrência para favorecer as agências que ele deseja que sejam as vencedoras do certame. As escolhidas: Calia|Y2 Propaganda e Marketing Ltda, Propeg Comunicação S/A, Nova/SB Comunicação Ltda e com estreitos laços as agências AV Comunicação e Marketing ou DeBrito Propaganda Ltda.

A licitação suspeita de direcionamento terá que ser encaminhada para o Tribunal de Contas para que sejam respondidos os quesitos questionados pelo Ministério Público que apontam fraudes na licitação. As empresas Propeg e Calia já enfrentam processos na justiça com denúncias de lavagem de dinheiro, corrupção ativa e passiva. Essas pessoas jurídicas possuem fortes ligações com partidos e abocanham milhões dos cofres públicos.

Atualmente a agência Calia Y2 Propaganda e Marketing Ltda está no olho do furacão na CPI da Covid 19 no Senado Federal. A Propeg Comunicação S/A mesmo com dezenas de processos na justiça se mantêm como agência mãe na comunicação do GDF a vários anos atendendo aos caciques dos partidos que comandam o governo. A Nova/SB Comunicação Ltda abocanha milhões e milhões do governo federal sustentada com o apadrinhamento de caciques dos grandes partidos políticos. Já as agências AV e DeBrito, também possuem seus apadrinhamentos, porém, por curumim.

Pelo visto a pajelança está emplacando essas agências que abastecem as tribos lideradas pelos caciques. Documentos comprovam que as agências são realmente investigadas e denunciadas pelo Ministério Público à justiça.

Atualmente a SECOM-DF é atendida pelas agências: Desigual, Binder e Propeg. No entanto, por rezar na cartilha de Baiano, só a Propeg se manterá com a conta de publicidade do GDF.