GDF: André Clemente de mala na mão para o TCDF

Por Mino Pedrosa

O super-secretário de Economia do Distrito Federal, André Clemente, entre umas e outras garrafas de vinhos em companhia do governador do DF, Ibaneis Rocha (MDB-DF) recebeu um presente. Ibaneis com a voz embargada devido ao teor alcoólico bateu o martelo para emplacar Clemente na cadeira de Conselheiro do Tribunal de Contas do Distrito Federal (TCDF).

Clemente teve o apoio do chamado “escritório” uma espécie de conselho administrativo paralelo ao GDF. Neste Conselho, dois nomes de toda confiança de Ibaneis, concorriam ao cargo, Marcelo Piauí e Kaline Gonzaga da Costa , que foi chefe de gabinete de Ibaneis no início do governo e goza de sua intimidade com segredos que devem ir para o túmulo. hoje a amiga, ocupa a cadeira na diretoria de novos “negócios” da Terracap, dois nomes de total confiança do governador, mas André Clemente contou com a articulação política comandada pelo ex-governador Jose Roberto Arruda e com o braço direito pandorista Fábio Simão que nas sombras vai emplacar Gilvanete Mesquita da Fonseca atual Secretária Executiva de Gestão na Secretaria de Economia.

Clemente, tem a chave do cofre de todo o GDF e nos bastidores comenta-se que também é dono da caixa-preta. Ibaneis, engoliu Clemente na indicação para o TCDF, mas terá pelo caminho espinhos colocados pela Justiça, Ministério Público, pela CLDF e pelo próprio Tribunal, porque Paiva Martins é oriundo da Auditoria do TCDF, e dono da cadeira. Entre os Conselheiros os comentários é de que a cadeira será decidida na Justiça, com jurisprudência no Supremo Tribunal Federal.

Há quem aposte que Ibaneis não vai conseguir emplacar André Clemente, mas ontem ao bater o martelo, garantiu ter o controle total na indicação, com isso, Arruda está sorrindo para as paredes, os outros candidatos que sonhavam com a vaga vão trabalhar duramente para tirar o véu do noivo.

Tropa de choque: Benício Tavares, Fábio Simão e André Clemente.

Mesmo porque, já está em pleno aquecimento o mestre de André Clemente, Valdivino Oliveira.