Bucar Engenharia: da Operação Toque de Caixa no Acre, para o GDF

Por Mino Pedrosa

O governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB-DF), brinca de cobra cega. Com os olhos vendados Ibaneis faz uma gestão marcada por corrupção e expõe a roubalheira na Secretaria de Saúde do Distrito Federral (SES-DF) causando a falência. Documentos chegam aos órgãos fiscalizadores de Brasília denunciando uma empresa envolvida no maior escândalo de corrupção do Acre. A Bucar Engenharia que já foi Construtora Concreto e agora opera no GDF abocanhando contratos para fornecer insumos para a SES-DF. No entanto, a Associação das Empresas do Segmento Médico-Hospitalar e Laboratorial do DF já formalizou denúncia de que os materiais contratados e pagos pelo GDF não são entregues.

A Promotoria de Justiça de Defesa da Saúde, após analisar denúncias da não entrega dos materiais contratados, recomendou que a Secretaria de Saúde rescindisse o contrato com a Bucar Engenharia, “por descumprimento das leis de regência e das comprovações exigidas pelo edital para habilitar e prestar os serviços objeto dos contratos firmados”.

A Diretoria de Engenharia Clínica, no dia 2 de outubro de 2018, manifestou-se pela não prorrogação de contrato. Notificada pela Diretoria de Instrução e Formalização de Atas, Contratos e Convênios, a empresa pediu prorrogação de prazo, porém, não foi atendida. Mas, no apagar das luzes de 2018, a secretaria prorrogou o contrato, ressalvando que se prosseguisse na “avaliação exaustiva sobre eventuais motivos que possam comprovar eventual inadimplemento contratual grave por parte da atual contratada”.

                Sediada no Acre a Bucar Engenharia já esteve nas páginas policiais com a prisão de seus sócios. Em agosto deste ano a Polícia Civil do Acre prendeu Tião Fonseca, marido de Delba Nunes Bucar, sócia da Bucar Engenharia, e fez buscas na residência de Edson Siqueira, irmão do senador Márcio Bitar (MDB-DF) em investigação que apura corrupção na Depasa (Departamento Estadual de Água e Saneamento). O mandado de prisão e das buscas e apreensões foram expedidos pelo juiz Cloves Augusto Alves Cabral Ferreira da 4ª vala Criminal da comarca de Rio Branco

Os investigadores constataram uma série de desvios de recursos públicos na Depasa, sob a presidência de Fonseca. Ele chegou a pagar R$ 500 mil para a empresa da própria esposa, que na verdade pertence ao casal. Após uma série de denúncias, Fonseca foi exonerado do cargo no início de julho. Já Edson Siqueira foi exonerado do cargo de diretor-financeiro da Depasa, mas, foi nomeado em outro, na sequência.

No DF, para abocanhar contrato para fornecimento de material hospitalar, a Bucar Engenharia, usou como parâmetro para comparação de preços a empresa Delta Soluções Hospitalares, criada em julho deste ano, pertencente a Lucas Ignowsky, funcionário da Bucar Engenharia. A Delta funciona como “laranja” da Bucar.

Para contrapor a enxurrada de denúncias contra a Bucar Engenharia, o casal proprietário da empresa, presos por corrupção, na Operação Toque de Caixa no Acre, convocaram o doutor Renato Barros, irmão do governador Ibaneis Rocha, para operar a renovação contratual junto ao secretário de Saúde, Osnei Okumoto.

Renato atua como uma espécie de sombra. Entra no fogo e não se queima, entra na água e não se molha, mas, já foi alertado por seu irmão Ibaneis Rocha, para não atuar no loby dentro do GDF. Mas, não é bem assim que o doutor opera. Com o anel no dedo representa a parte jurídica das empresas que fornecem para o governo ou que pretendem fornecer. O escritório do doutor no complexo hoteleiro Brasil 21, no coração da capital federal, vem sendo muito bem frequentado, mas, também monitorado pelo Ministério Público Federal (MPF) e Polícia Federal (PF). O advogado se “gaba” em dizer que: “macaco velho não pisa em galho seco e nem põe as mãos em cumbuca”. Ele não pede ao irmão, mas, o seu sobrenome o credencia para os negócios. Como atua nas sombras, o doutor evita ser fotografado.