Reeleição na CLDF: a carroça na frente dos burros para garantir o comando

Por Mino Pedrosa

O presidente da Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF), Rafael Prudente (MDB-DF), usando seus pares fez uma manobra ardilosa. Procurou o governador Ibaneis Rocha (MDB-DF) e condicionou o apoio ao governo na CPI do Feminicidio e “outras votações”, pedindo em contrapartida os votos da base governista para aprovar a toque de caixa nesta terça-feira (26) o segundo turno da votação que dá direito a reeleição da Mesa Diretora da CLDF.

                Prudente não parou por aí. Para o governador, queixou-se do secretário de fazenda, André Clemente, que vem retendo as faturas milionárias das empresas da família, que prestam serviços para o GDF em benefício do grupo político do qual faz parte. Ibaneis fez ouvido de mercador, mas, disse que iria tomar providências. Nos bastidores Rafael Prudente não tem a maioria dos votos de seus pares que acreditam ser a pior legislatura da existência da CLDF.

Sendo assim, Prudente conta exclusivamente com o apoio da base aliada do governo que pode lhe garantir a vitória. Porém, muito apertada. O governador consultou vários deputados de sua base e chegou a conclusão de que é necessário deixar a votação para o próximo ano. Já que o entendimento do corpo jurídico da casa é de que a votação do primeiro turno na legislatura passada tem legitimidade ficando apenas o segundo turno para a decisão final.

                Rafael Prudente não quer fazer jus ao seu sobrenome e coloca nesta tarde de hoje a carroça na frente dos burros colocando em votação o segundo turno a toque de caixa. Porque se deixar para o próximo ano corre sérios riscos de perder o comando da casa. Em meio as traições no jogo político a quem diga que a derrota anda lado a lado com Rafael.