Boeing 737 cai no Irã com 176 pessoas a bordo

O governo do Irã informou que não entregará a caixa-preta do Boeing 737 ucraniano que caiu nesta quarta-feira (8/1) após decolar de Teerã. “Não daremos as caixas-pretas para o fabricante [Boeing], nem para os americanos”, afirmou o diretor da Organização da Aviação Civil do Irã, Ali Abedzadeh. A informação é da agência de notícias Mehr. 176 pessoas morreram no acidente.

As equipes iranianas de busca e resgate encontraram as caixas-pretas do avião ucraniano por volta das 8h da manhã (horário de Brasília). Em nota, a Ukraine International Airlines, dona do avião, disse que a aeronave foi fabricada em 2016 e passou pela última vistoria técnica há dois dias. 
As primeiras declarações do governo do Irã sugeriram uma pane técnica, confirmada pela embaixada da Ucrânia no Irã. Em nota, as autoridades ucranianas informaram que “uma falha no motor” teria causado o acidente e excluíram “a tese de um ataque terrorista”. Na sequência, esse trecho foi retirado de seu comunicado à imprensa.

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, advertiu para o risco de qualquer “especulação” e disse que confiou ao procurador-geral da Ucrânia a abertura de um processo para investigar o desastre.
O avião da Ukraine International Airlines com destino a Kiev, caiu sobre terras agrícolas em Khalaj Abad, no distrito de Shahriar, cerca de 45 quilômetros a noroeste do aeroporto internacional Imã Khomeini de Teerã.
No voo havia passageiros de 7 nacionalidades: 82 do Irã, 63 do Canadá, 11 da Ucrânia (9 tripulantes), 10 da Suécia, 4 do Afeganistão, 3 do Reino Unido, e outros 3 da Alemanha.

Fonte: Quidnovibrasil/Correio Braziliense