Metrô do DF está longe de entrar nos trilhos

Em média, 162,5 mil pessoas usam o transporte de trilhos na capital do país diariamente, de acordo com dados da Companhia do Metropolitano (Metrô-DF). No dia de maior movimento do ano, que aconteceu em setembro, o número atingiu 175,5 mil usuários. Em 2015, 144 mil utilizavam esse meio para se locomover. Os investimentos em manutenção também apresentaram incremento: cinco vezes em 2017 comparado às aplicações de 2013 a 2016. O aporte saltou de R$ 4,5 milhões anuais para R$ 22,2 milhões. Entretanto, problemas como superlotação e falhas estruturais ainda dão o tom das reclamações dos usuários.

Superlotado e com falhas, metrô do DF está longe de entrar nos trilhos

Nesta reportagem da série DF na Real — na qual os candidatos ao Governo do DF expõem propostas (confira no fim do texto) de solução para os problemas apontados pelos brasilienses.

“Quando a escada rolante e o elevador não funcionam, tenho de descer com minha filha de 1 ano e o carrinho dela pelos degraus comuns. É um risco. Às vezes, aparece alguém do metrô para me ajudar. Às vezes, não”, reclama a monitora Franciele Camelo, 28 anos. Moradora da Ceilândia, ela usa o transporte de segunda a sexta para ir e voltar da creche onde trabalha, em Águas Claras, cujo terminal só não é mais movimentado que o Central, na Rodoviária do Plano Piloto. Percorre esse trajeto sempre acompanhada da filha Isabella Carneiro, de apenas 1 ano.

 

Após superar os desafios enfrentados logo na chegada da Estação Ceilândia, Franciele e o bebê adentram na multidão de passageiros dentro do vagão. A superlotação faz parte da rotina das duas. O incômodo ocorre principalmente quando não há alguém que, caridosamente, cede assento à mulher. “Nunca nos machucamos por causa disso. Mas já vi muita gente passando mal quando está muito cheio. Fica abafado, quase insuportável”, lamentou.

Joseir Rodrigues Bezerra, 49, engrossa o coro. “Há quem embarque na Estação Ceilândia, vá até a próxima [Ceilândia Norte] e volte a essa para viajar sentado. Mas, para isso, é preciso chegar muito mais cedo”, relatou. Ele trabalha em um shopping ao lado da estação.

Além da superlotação e do mau funcionamento de escadas rolantes e dos elevadores, os passageiros se queixam de falhas no sistema de bilhetagem. Joseir é usuário do Bilhete Único, cartão pelo qual pessoas podem utilizar ônibus e metrô, integradamente. Ele conta que passou por constrangimentos devido a erros ocorridos nas catracas de acesso. Além das situações embaraçosas, esses imprevistos geram longas filas e, consequentemente, atrasos nos embarques.

“A gente passa vergonha, tenta cinco, seis vezes, e o cartão não passa. Somos forçados a comprar um bilhete ou outro cartão. Mas nem sempre temos dinheiro para isso

Joseir Bezerra, passageiro
HUGO BARRETO/METRÓPOLES

Hugo Barreto/Metrópoles

Joseir Bezerra contou que seu cartão do Bilhete Único apresentou falhas por cerca de três meses

 

Aumento da demanda
Especialista em mobilidade urbana, Luis Roberto Paganini projeta um cenário ainda mais desafiador para a população do DF que depende de metrô. Principalmente, se o cenário socioeconômico não melhorar nos próximos anos.

“A população tem crescido em ritmo acelerado. O aumento de 12,9% no número de passageiros do metrô em três anos é elevado. E há um conjunto de fatores que não contribuem para as pessoas utilizarem outros meios de locomoção, como bicicletas e ônibus, por exemplo. O alto desemprego e o preço elevado do combustível atrapalha quem quer ter carro. Isso preocupa”, explicou.

Sob promessa de facilitar o transporte de Samambaia, terceira cidade mais populosa do DF, o governo local lançou em setembro edital de licitação para expansão e modernização do metrô na região administrativa. A medida deve possibilitar acesso de 9,8 mil novos passageiros por dia na cidade onde vivem 252 mil pessoas, de acordo com a última Pesquisa Distrital por Amostra de Domicílios, de 2015/2016, da Companhia de Planejamento do DF (Codeplan). Apesar disso, o pesquisador avalia a ação como insuficiente.

“Há centenas de milhares de pessoas na parte norte do DF que nem sequer têm acesso ao metrô. Sobradinho, Planaltina e Asa Norte são exemplos. Essa população merece atenção prioritária”, criticou. A diarista Janilda Oliveira, 46, vive no Paranoá e reclama da falta de estação de metrô na cidade. “A maior parte dos meus clientes vive na Asa Sul. Todos os dias, preciso sair de casa às 6h, no máximo, para conseguir chegar lá por volta das 7h20. Se houvesse metrô, eu gastaria muito menos tempo no trajeto”, lamentou.

Investimento
Para ter sistema de transporte metroviário eficiente, moderno e livre de problemas, o DF precisaria investir R$ 26 bilhões em melhorias e construções de ferrovias e terminais. É o que mostra pesquisa da Confederação Nacional de Transporte (CNT) divulgada em agosto. O investimento traria ampliação de 300km no sistema.

O outro lado
O Metrô-DF informou que o sistema de bilhetagem envolve, além da companhia, a Secretaria de Mobilidade (Semob-DF) e o DFTrans. “Como se trata de um novo sistema, alguns ajustes vêm sendo realizados. A contratação de empresa para dar manutenção dos validadores do sistema gerido pelo DFTrans tem previsão de conclusão para a próxima semana”, acrescentou.

A companhia disse também que a decisão do governo federal em liberar os recursos para melhorias do Metrô-DF em Samambaia ocorreu em função da cidade possuir grande expansão populacional em relação às demais regiões do DF.

O Metrô-DF não comentou o problema de superlotação.

Veja o que os candidatos ao GDF propõem para solucionar os problemas no metrô:

Fonte: Quidnovibrasil/ Metrópoles