Secretaria de Saúde do DF: escândalo anunciado

Por Mino Pedrosa

O ex-presidente do Tribunal de Contas do Distrito Federal (TCDF), Antônio Renato Alves Rainha, mandou um recado direto aos ouvidos do governador do DF, Ibaneis Rocha (MDB-DF).  O barril de pólvora na Secretaria de Saúde do Distrito Federal (SES-DF) está para explodir. O Diário Oficial do Distrito Federal (DODF) trouxe a prova de que o pavio está aceso. Na publicação do dia 29/08/2019 a filha do conselheiro, Renata Rainha que ocupava a cadeira de Secretária Adjunta de Assistência à Saúde pede exoneração aconselhada por seu pai para se esquivar de escândalos.

Nos bastidores do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) o comentário é que não só na SES-DF, mas, também em outras secretarias os escândalos de corrupção do governo Ibaneis virão à tona a qualquer momento. Após denúncia do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT), de fraude no processo licitatório para limpeza e manutenção das unidades ligadas a (SES-DF) o governador de Brasília lançou uma cortina de fumaça demitindo 22 servidores da secretaria lotados no 3º escalão. A intenção de Ibaneis foi ganhar tempo e evitar o primeiro escândalo de corrupção no GDF. Entretanto, poupou a cabeça do secretário de saúde, Osnei Okumoto, por saber demais. Quem também escapou das demissões foi o Secretário-adjunto de Gestão em Saúde (SUAG-DF), Antony Araújo Couto que além de escapar dos cortes foi promovido para Secretário-adjunto da Secretaria Adjunta de Gestão em Saúde.

A SUAG/SES é responsável pela elaboração dos termos de referências para compra de medicamentos, equipamentos, manutenções de equipamentos médicos e hospitalares. Várias denúncias estão sendo feitas de que na gestão de Antony Couto mais de 500 processos ficaram paralisados prejudicando o atendimento nas unidades de saúde. Com isso a população que precisa de atendimento sofre com a falta de insumos e equipamentos de todos os tipos, a exemplo de cadeiras de rodas, cadeiras de banho, suporte de soro e medicamentos. Além disso, faltam equipamentos de ressonância magnética e Tomógrafos já obsoletos. Sem falar na ausência de autoclaves e termodesinfectoras. Muitos desses processos precisam apenas de execução das atas deixadas pelo governo anterior. Toda essa lentidão é orquestrada pelo secretário Osnei Okumoto que vem se arrastando no cargo, mas, tenta beneficiar empresas ligadas ao grupo.

Os problemas na SUAG/ES não tem data para serem solucionados, pois, no lugar de Antony Couto foi nomeada sua assessora que goza de total intimidade, Marina Perez Pontes. Como se não bastasse, o agora todo poderoso da SUAG/SES já responde a processo por irregularidades na contratação de seu escritório de advocacia com dispensa de licitação pelo Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de São Paulo (Crea/SP). Pelo jeito o governador Ibaneis Rocha que foi eleito com um discurso de “mudanças” parece ter esquecido de vez das promessas de campanha e a cada dia se chafurda na lama.