Preso no Maranhão comandou por telefone roubo a posto de saúde do DF

Uma investigação da Polícia Civil apontou que a tentativa de roubo ao caixa eletrônico da Unidade Básica de Saúde 3, no Distrito Federal, foi comandada por um preso do Complexo Penitenciário de Pedrinhas, no Maranhão. A invasão foi em 11 de agosto.

Na época, criminosos renderam e amarraram o vigilante que estava de plantão no posto de saúde do Riacho Fundo. Na ação, o grupo usou um maçarico para abrir o equipamento e, como não conseguiu, os homens fugiram levando a arma e o colete à prova de balas do vigia.

Segundo a polícia, as ordens para o assalto partiram do celular de Romário Carvalho de Moura. “Ele comandou a empreitada por telefone, ensinou ao grupo como arrombar o caixa e forneceu os equipamentos”, afirmou a corporação.

Nas conversas de dentro do presídio, segundo a polícia – Romário ensina a um comparsa como agir e ter acesso ao dinheiro do caixa eletrônico. A reportagem optou por não divulgar os arquivos por conter informações detalhadas sobre o ato.

Até esta quarta-feira (4), pelo menos cinco pessoas tinham sido presas. O grupo é investigado por praticar e coordenar as ações de roubo. Dois homens estão foragidos.

Os agentes também investigam a participação da quadrilha no roubo ao caixa eletrônico na sede da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-DF), em Brasília. O crime foi em junho.

A investigação

A investigação apontou que, pelo menos, 10 pessoas estão envolvidas no assalto ao posto de saúde do Riacho Fundo. Veja a relação:

  • Diego Ângelo da Silva Martins (preso)
  • Wender Pereira Coimbra Junior (foragido)
  • Romário Carvalho de Moura (preso no Maranhão)
  • Herica de Santana (presa)
  • Luciana Aldes de Sousa (presa)
  • Frederico Guimarães Filho (foragido)
  • Helida Maria Ferreira Andrade (presa)
  • Manoel Isac de Almeida (preso)
  • Marcos Rudyero Ramos de Almeida (preso)
  • Suspeito não identificado 

Entre os suspeitos estão os três comparsas que anunciaram o roubo na unidade, duas mulheres que eram responsáveis pela distribuição das ferramentas usadas na ação, um casal que fornecia as peças ao grupo e o mentor do crime, preso no Maranhão.

Ainda de acordo com a polícia, Manoel Isac de Almeida – preso em 29 de agosto – já tinha sido detido por crime semelhante. Ele é suspeito de ataques a caixas eletrônicos em 2016. Dessa vez, ele foi detido ao lado do filho, Marcos Almeida, quando os dois deixavam o Centro de Progressão Penitenciária da Papuda, em Brasília.

Fonte: Quidnovibrasil/G1