Ibaneis Rocha: fritando os peixes no dendê

Por Mino Pedrosa

O governador de Brasília Ibaneis Rocha (MDB-DF) vem matando na unha o secretário de comunicação, Weligton Moraes (vulgo Baiano) e seu assecla Paulo Pestana (o Paulinho). Com as denúncias de direcionamento que poderiam favorecer as agências ligadas a dupla na licitação da verba de publicidade da TERRACAP (Agência de Desenvolvimento do Distrito Federal), o governador entrou em campo e pensou ter atrapalhado os planos de Baiano. Ao ter desvendadas suas artimanhas obscuras usadas para burlar a legislação e abocanhar os milhões de reais dos cofres do GDF na área de publicidade Baiano trabalha nos bastidores com os olhos vendados para o desgaste com o governador. Com o comando da comunicação vem tentando semear a verba publicitária em todos dos os setores para colher mesmo que fique fora do governo. Engessando assim, o seu eventual sucessor.

No meio publicitário o escândalo é latente. Weligton tentou uma manobra contra as agências que atendem a conta principal da comunicação do GDF, uma bagatela de 99 milhões de reais. As empresas vencedoras da licitação no governo de Rodrigo Rollemberg (PSB-DF), que se estende por mais dois anos e meio foram surpreendidas com o assédio das agências vinculadas a Baiano com a intenção de negociar o contrato vigente. O governador Ibaneis foi avisado da manobra, suspendeu a antecipação da licitação e mandou retirar o edital que Baiano e Paulinho haviam montado. A suspenção foi publicada no Diário Oficial (DODF) no dia 16 de julho de 2019. A justificativa foi fazer “adequações no Briefing e ajustes no edital que podem afetar na elaboração das propostas das agências”. Curiosamente Baiano e Paulinho montam uma outra estratégia para diluir cláusulas do contrato em vigor e lançaram um edital para licitar serviço de mídia digital pelo valor de 11 milhões de reais e que já consta no contrato vigente. Ou seja: licita o mesmo serviço duas vezes com a intenção de aumentar ainda mais a verba publicitária.

Outro fato que vem chamando atenção é a verba publicitária no BRB (Banco Regional de Brasília). A dupla novamente tenta manipular a verba já licitada entregando uma lista de demandas para o presidente do banco, Paulo Henrique Rodrigues Costa. Mas, nos bastidores, Ibaneis alimenta o poder do presidente que deixa as propostas exigidas pela comunicação do GDF adormecidas no fundo da gaveta.

Amigos comentam que Baiano reconhece que está sendo fritado pelo governador, porém, o mesmo afirma que só deixa a secretaria quando estiver com o colchão pronto.