Diagnóstico precoce e preciso faz diferença na luta contra o câncer

De acordo com a Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS), cerca de 30% a 50% dos cânceres podem ser prevenidos a partir de estratégias baseadas em ações de prevenção, tratamento adequado e detecção precoce da doença. Este terceiro fator foi fundamental para o sucesso do tratamento de Carlos Almeida Fel, servidor público de 51 anos, que está em fase de recuperação de uma cirurgia de câncer de próstata.
Carlos é o tipo de paciente que contraria os estudos que colocam os homens na categoria de mais negligentes com os cuidados à saúde. Ele não é daqueles que deixa de lado as consultas de rotina ao médico, muito pelo contrário. Com um histórico de câncer na família, passou a acompanhar por meio de exames de sangue, há alguns anos, a evolução do seu PSA (Prostate-Specific Antigens). Este exame, em conjunto com o toque retal, são as ferramentas utilizadas no rastreamento deste que é o câncer mais prevalente na população masculina quando excluímos os cânceres de pele do tipo não melanoma – estima-se que, em 2018, foram 1,3 milhão de novos casos no mundo. Segundo as estatísticas do Instituto Nacional de Câncer (INCA), no biênio 2018-2019 serão registrados 68.220 novos casos novos por ano no Brasil, com incidência na população masculina do Centro-Oeste de 56 casos para cada 100 mil habitantes.
E foi o que aconteceu com Carlos, que em outubro de 2018 teve sua taxa de PSA duplicada de quatro para oito, deixando-o bastante assustado. A pedido do seu urologista ele realizou uma Ressonância Magnética da próstata que confirmou a suspeita de um câncer. Foi neste momento que ele achou que seria a hora de buscar ajuda especializada. “Procurei o Dr. Gustavo dos Santos Fernandes, que atende no Sírio-Libanês, em Brasília, e já tratou pessoas da minha família. No mesmo dia da primeira consulta ele me mandou para uma biópsia de próstata com fusão de imagens e o resultado confirmou a doença”, conta Carlos.
“Nem todos os tumores de próstata necessitam de tratamento imediato, alguns considerados como de baixo risco podem, com segurança, ser acompanhados de perto por meio de exames clínicos e de imagem periódicos. No Hospital Sírio-Libanês estes casos são decididos em conjunto por grupos de experts da instituição”, destaca Dr. Igor Morbeck, médico oncologista especialista em tumores urológicos do Hospital Sírio-Libanês, em Brasília.
Após o período de recuperação dessa biópsia por imagem, de cerca de cinco semanas, Carlos entrou no centro cirúrgico do Hospital Sírio-Libanês na primeira quinzena de maio, sob os cuidados do Dr. Alexandre Cavalcante, médico urologista do Hospital Sírio-Libanês, em Brasília, que o operou com equipamentos de robótica de última geração. Dois dias após a cirurgia ele recebeu alta e foi para casa. A expectativa é que este tipo de cirurgia libere o paciente para suas atividades de rotina o mais rapidamente possível.
Rapidez, segurança e precisão de diagnóstico 
É consenso entre especialistas que, quanto mais cedo e mais rápido acontecer o início do tratamento, maiores são as chances de cura de qualquer doença. “Em geral, o paciente acaba perdendo muito tempo entre o início das queixas ou a suspeita de uma doença grave como o câncer até o início do tratamento, já que existem algumas etapas que devem ser cumpridas, como exames de imagens, realização de uma biópsia, análise do material e retorno ao médico”, conta Dr. João Paulo Bernardes, coordenador médico da Radiologia no Hospital Sírio-Libanês, em Brasília.
O especialista ressalta o quão benéfico pode ser para o paciente quando ele consegue ter à sua disposição um atendimento em que os profissionais envolvidos no seu cuidado comunicam-se diretamente. “Quando o médico solicitante está integrado com os outros profissionais, como o radiologista que executará a biópsia guiada por imagem, com o médico patologista que irá analisar o material e com o cirurgião, o paciente se sente confiante, pois tudo acontece de forma mais rápida, segura e precisa”, avalia Dr. Bernardes.
A rapidez, a segurança e a precisão do tratamento de Carlos não se devem somente à capacidade técnica da equipe que o atendeu, mas à possibilidade que o paciente teve de fazer exames de alta complexidade no Centro de Medicina Diagnóstica do Sírio-Libanês, em Brasília, que está no mesmo nível dos melhores centros de referência do mundo. Nele é possível fazer desde um simples raio-X ou exames laboratoriais até uma tomografia por emissão de pósitrons (PET/CT) ou uma mamografia com tomossíntese, método que torna o diagnóstico muito mais preciso.
No seu caso, Carlos Fel passou por um procedimento pioneiro na cidade: a biópsia de próstata com fusão de imagens, que é minimamente invasiva e extremamente precisa. “Esse procedimento diminui consideravelmente os falsos negativos, que é quando o paciente tem câncer em estágio bem inicial e os exames tradicionais e métodos mais antigos de investigação não conseguem identificar ”, explica Dr. João Paulo Bernardes. “Com este método de fusão de imagens, conseguimos sobrepor as imagens da ressonância magnética com a ecografia e, por meio de um GPS, conseguimos coletar material com precisão milimétrica nas áreas suspeitas”, completa.
Por fim, Carlos reconhece que todo esse aparato e excelência técnica trouxeram sim agilidade e foram determinantes no sucesso do seu tratamento. Ele destaca um ponto que lhe chamou muito a atenção durante sua passagem pelo hospital: “o atendimento no Hospital Sírio-Libanês foi diferente. Todos os médicos me ligaram várias vezes, até depois da operação, perguntando como eu estava”, conta, surpreso. “Este foi um cuidado que nunca percebi em outros lugares e que faz uma diferença muito grande para o paciente”, avalia.
Dr. Bernardes resume que no Hospital Sírio-Libanês “a cultura não é do atendimento rápido e ligeiro, muito pelo contrário, é necessário conhecer a história e entender o processo que trouxe cada paciente. Nosso atendimento é reconhecidamente humanizado e, além da excelência do corpo clínico e da estrutura física e tecnológica, estamos diariamente praticando um dos valores mais importantes da instituição: o calor humano”. Ele reconhece o tamanho do choque que pode causar a confirmação de um câncer e frisa que é preciso muito cuidado para que essa notícia não se transforme em um trauma. “A ideia é fazer o paciente se sentir forte o suficiente para continuar no caminho que precisa seguir. Este caminho nem sempre é fácil e trabalhamos para que esta experiência seja a melhor possível, ao ponto que muitos pacientes, mesmo em situações de fragilidade física e emocional, se sentem confortáveis e confiantes para o enfrentamento. Esta é nossa missão”, finaliza.
Sírio-Libanês em Brasília
Presente na Capital Federal desde 2011, o Sírio-Libanês expandiu em fevereiro sua operação na região com a inauguração de um hospital completo na quadra 613 da Asa Sul. O local é equipado com centro cirúrgico de última geração, Unidades de Tratamento Intensivo (UTI) humanizadas, leitos confortáveis e funcionais, além de corpo clínico e profissionais altamente especializados. Essa estrutura se soma às outras já existentes na cidade: dois Centros de Oncologia (um vizinho ao novo hospital e outro na QI 15 do Lago Sul) e dois Centros de Medicina Diagnóstica (um dentro do hospital e outro na 613/614 Sul).
Os Centros de Diagnósticos do Sírio-Libanês oferecem uma vasta gama de exames, realizados por equipes de profissionais especializados, com equipamentos de última geração, preparados para realizar desde análises clínicas de rotina, como sangue e urina, até exames de ponta, como densitometria, ecografias, tomografia computadorizada, PET/CT, ressonância magnética, mamografia com tomossíntese e procedimentos minimamente invasivos guiados por imagem.
Os ambientes amplos e climatizados foram cuidadosamente planejados para maior conforto e melhor atendimento, mantendo o alto padrão de segurança e modernidade. Tanto pacientes quanto médicos solicitantes acessam os resultados dos exames pela internet, de maneira rápida e simples, embora o paciente tenha sempre a opção de retirar pessoalmente as imagens e os laudos impressos.
Achados críticos são comunicados imediatamente ao profissional solicitante por meio de ligação, e-mail ou mensagens de texto (SMS) de maneira automatizada.
Fonte: Quidnovibrasil/Correio Braziliense